Compras de make em Buenos

Decidi que iria renovar um pouco meu estoque maquiagem na viagem pra Buenos Aires. Além de super baratas, fazia um tempão que não comprava algo novo pra minha necessaire. A Fê, amiga da minha irmã e quase uma local por lá, me indicou um lugar que realmente fez a minha alegria na cidade: a Farmacity. Dito e feito,  era impossível passar um dia sem dar uma passadinha na farmácia que está espalhada por todos os cantos da capital argentina. Às vezes, passava horas por lá e nem percebia. E agora vou mostrar o que escolhi, não foi tanta coisa, mas acho inútil ficar comprando um milhão de coisas sendo que tenho outras que servem para a mesma finalidade em casa. Comprei itens que gostei e que estavam acabando e outros que ainda não tinha:

1. A única compra do freeshop foi esse blot da MAC, um dos itens que mais amo da marca, tipo um pó finalizador que tira o brilho de oleosidade da pele. Nunca achei um produto similar e mais barato, portanto, sou fiel ao da MAC. Custou trinta dólares.

2. Rímel alongador – e de onça –  da marca própria da Farmacity. É bem ok e custou só 23 pesos (9 reais mais ou menos).

3. Rímel transparente comprado na loja Todo Moda, uma lojinha bem fofa de acessórios que tem em vários lugares na cidade. Custou 12 pesos (4 reais mais ou menos.

4 e 11. Sou tipo a pessoa mais viciada em balm do mundo. Como sempre tinha ouvido falar do Chapstick e nunca tinha visto pra comprar no Brasil, comprei logo três. Custaram 17 pesos cada um, cerca de 7 reais.

5. Rímel baratéx Great Lash da Maybelline que ainda não testei. Foi 30 pesos, uns 12 reais.

6. Lápis preto da marca própria da Farmacity, foi o item que menos curti. Bem fraquinho, sorte que foi baratinho: 20 pesos, que dá uns 9 reais.

7. Rímel (aloka do rímel, né?) da loja Todo Moda também. Foi 12 pesos, uns 4 realitos e é bonzinho viu.Todas as minhas máscaras estavam acabando, por isso fiz um mini estoque!

8. Bronzer da linha própria Farmacity que só usei uma vez e amei! Não estou muito acostumada a passar bronzer e comprei esse mais pra testar… custou 30 pesos que dá, mais ou menos, doze reais.

9. Amor por esse “corretivo que trata a pele” da Maybelline. Chama Instant Age Rewind – amo esses nomes escalafobéticos que prometem mundos e fundos em inglês – é levinho e estou adorando. Foi bem barato: 49 pesos que não dá nem 20 reais.

10. Sempre quis um corretivo amarelo e realizei esse sonho de vida (ô drama!) lá na Farmacity. Se não me engano, foi 36 pesos (quase 15 reais). Combinado com o corretivo número 9, tá sendo o salvador da minhas olheiras que andam sinistras.

Esqueci de colocar na montagem mas comprei um adstringente e uns lencinhos pra remover maquiagem que custaram uns 20 pesos cada um.

Acho que no final das contas gastei mais com presentinhos pro pessoal do que com coisas pra mim. É tão legal trazer presente de viagens e eu me empolgava tanto pensando as coisas que eram a cara de alguém ou como a pessoa ia gostar de ganhar. Mas comprei praticamente tudo o que queria de maquiagem, todos itens baratinhos e que uso no dia a dia.

Enfim, fui contida ou exagerei nas compras? hehehe

Naiá

Anúncios

As compras de Buenos Aires – roupas

Perguntei lá na fan page do blog (aqui!) se o post de hoje deveria ser sobre as roupas ou as maquiagens que comprei em Buenos Aires e a maioria votou nas roupas. Meu objetivo na viagem era, lógico, aproveitar a cidade, passear muito e não ficar só entrando em lojas o dia todo. Mas como é inevitável sair sem nenhuma compra, consegui riscar alguns itens da minha lista de desejos: a tal da calça colorida e uma legging estampada. 

A legging com estampa étnica não é uma peça fácil de usar não. Escolhi tons que amo, como o preto e o branco mas precisa ter muito cuidado pra não ficar meio Suellen.  Ainda estou pensando num look pra usar com ela mas não cheguei a uma conclusão. Custou 210 pesos que equivale a cerca de 80 reais e foi comprada na loja Ona Saez, na Avenida Santa Fé.

Já a calça colorida (não consegui definir a cor…às vezes acho que é um tom meio pastel, às vezes um tom neon beeem suave…que dúvida! o que acham? ) é uma peça bem fácil de usar. Prefiro misturar com tons neutros como o branco, bege, preto, cinza e variações que fica bem chique e não fica com aquela cara de Restart que eu tinha tanto medo. Foi comprada na loja La Luna, também na Avenida Santa Fé e custou 230 pesos, mais ou menos 90 reais.

A meia-calça de poás eu já estava querendo uma há algum tempo…foi 40 pesos, uns 15 reais.

A camiseta preta foi comprada na loja Todo Moda, uma loja bem baratinha de acessórios, makes e outras bugigangas que tem em vários lugares de Buenos Aires. É uma loja tem-que-ir! Custou 50 pesos – mais ou menos 20 reais.

Essas foram as comprinhas de Buenos Aires, fui contida, não fui? Vocês gostaram?

Naiá

Quando me apaixonei por Buenos Aires – parte 3

Último post da série do diário de viagem de Buenos Aires. O último dia foi bem legal e deu aquele aperto de ir embora… 

5º e último dia…zoo de Palermo. É, a carinha triste é pra definir a tristeza de saber que era o último dia, hunf. Pra começar o dia lindo, fui tomar um café da manhã responsa: croque monsieur vegetariano maravilhoso (não quero nem lembrar que dá fome!) e café com leite condensado dos deuses…ai ai! Depois fui pra Palermo porque minha primeira parada foi no zoológico…nunca fui vidrada em zoo mas adorei e é um passeio que vale a pena…e o dia estava perfeito.Parecia uma criança vidrada no elefante…deu até dó. O fofo era que podíamos comprar comprar comida para os animais e alguns ficavam soltos por aí. É um ótimo passeio para fazer com crianças ou com adultos de 24 anos que agem como uma no zoológico (oi? eu?).

Ainda na terça-feira, dei uma passadinha no Brechó Juan Perez – um dos mais famosos de Buenos Aires e ah…não é o tipo de brechó que gosto. Não sou daquelas malucas por peças grifadas e lá é basicamente o objetivo. Fora que até peças sem marca custavam cerca de duzentos reais, oi? Entrei, olhei, analisei e fui embora…não vou indicar aqui um brechó que não curti. E os momentos finais: o vinhozinho (de novo! hahahahahaha) do jantar do último dia, o dilema de sentar em cima da mala para fechá-la e o belíssimo nascer do sol na hora de embarcar.

Espero que tenham gostado, qualquer dúvida é só mandar nos comentários.

Naiá

Quando me apaixonei por Buenos Aires – parte 2

Continuando o diário de viagem, os dias três e quatro foram sensacionais. Gente, não vai dar para fazer tudo em só dois posts, portanto, teremos três. Para começar a parte dois, o lugar que mais gostei…

3º dia – A maravilhosa de San Telmo. Comecei o dia bem cedo e já usei a minha calça nova comprada no dia anterior #ansiosa. Me arrumei e fui tomar café em um lugar que já conhecia, a Pizzaria Império. Que delícia! No caminho, já me deparei com uma dupla tocando jazz em pleno metrô. A primeira (boa) surpresa do dia que me fez abrir um baita de um sorriso sozinha, aquele sorriso aberto que fiz “que privilégio viver isso”. Adoro quando isso acontece, acho que é o momento, mesmo inconsciente, de agradecermos pelo que estamos vivendo, sabe? E viajar é um dos melhores jeito de contemplamos esses pequenos e mágicos instantes. Peguei um ônibus e cheguei em San Telmo, um dos lugares que mais queria ir durante a viagem. Conheci procurando por dicas na internet, todo mundo falava muito bem da tal da Feira de San Telmo. Juro que depois de me decepcionar um pouco com a da Recoleta, estava apreensiva de acontecer a mesma coisa. Mas não! A feira de San Telmo é tudo o que falaram e muito muito mais. É imensa (tem umas 8 quadras de extensão) e tem tudo tudo tudo de mais legal no mundo: artesanato, antiguidades, artigos novos e o que mais amei: música boa no meio da rua. Para vocês terem uma noção, tinha uma orquestra que tocava tango maravilhosamente bem fazendo uma apresentação bem lá no vuco-vuco da feira. Fiquei meio de queixo caído vendo aquela coisa linda acontecer bem em um lugar que não esperava. Na verdade, em quase todo lugar eu ficava boquiaberta com tanta beleza, mas juro que moraria lá tranquilamente. O melhor de tudo é o preço, que é ótimo em todas as barracas que vi. Fiquei umas três horas por lá e ficaria bem mais, mas é bem cansativo ficar passeando por tanto tempo. Para usados, acho que o melhor lugar é na própria rua da feira, mas dentro do Mercado San Telmo, que tem vários stands bacanas. Foi lá que comprei a bolsa que falei aqui. A primeira foto é do Mercado, a segunda do meu almoço (com vinho, claro…só tô postando foto de bebida aqui, vocês vão me achar uma cachaceira). A terceira é meu café do amor, muito fofo…e a última da orquestra tocando tango no meio da rua, de arrepiar!

Lá comprei lembrancinhas de Buenos Aires, necessaires de couro lindas, imãs, camisetas e várias outras bugigangas que turistas adoram – e eu, obviamente, também. Tudo bem baratin e fofo. Dá pra ver aí na foto o estrago que foi né? O domingo terminou com uma ida ao El Ateneo – uma livraria que fica em um teatro restaurado e maravilhoso. De tirar o fôlego. Parei lá para um cafezinho antes de ir tomar um vinhozinho com alguns amigos de Londrina que encontrei. Um domingo maravilhoso. 

4º dia: Caminito, La Bombonera e outros. O quarto e penúltimo dia foi para conhecer alguns lugares que queria ir mas não tinha tido oportunidade antes. Falaram super bem do Caminito e fui. É realmente bem bonito e muito perto da Bombonera, o estádio do Boca. Vale o passeio para um dia mais tranquilo e é um lugar para turistas, com restaurantes e lojinhas. 

Na parte da tarde fui dar uma voltinha no shopping. Morar em Paraty me fez perceber que não preciso de shopping toda semana. Olha só o sapato que tem em todas as vitrines da cidade…um tênis com uma plataforma bem esquisita…vi algumas argentinas usando e, pelo menos nelas, não fica tão bizarro…mas eu não usaria. Escolhi o shopping Abasto e posso falar? Não estava mesmo no mood de comprar muito e só me encantei com esse casaquinho achanelado da Zara…o preço era BEM melhor que os da Zara no Brasil, uns 140 reais (369 pesos). Me arrependi mesmo….aff! Depois do shopping, fui com o pessoal de Londrina na Plaza de Mayo porque disseram que a Casa Rosada fica ainda mais bonita à noite e…é verdade. Bem linda! Depois disso, vinhozinho delícia e só cheguei no hotel duas da manhã…haja disposição. Precisava dormir pra aproveitar ao máximo meu último dia…amanhã vou postar sobre ele!

Beijo, Naiá

Quando me apaixonei por Buenos Aires – parte 1

Prometi e vou cumprir. Tentarei resumir a minha viagem de cinco dias em Buenos Aires em dois posts – um foi impossível – e depois vou postar alguns lugares detalhadamente. Sim, eu me apaixonei pela capital argentina. A cidade é linda por inteiro e cada cantinho que você visita encontra algo especial,  mágico. Amei os restaurantes, os passeios que fiz, o atendimento, as voltinhas sem compromisso, os jantares sozinha, os vinhos. Então vou tentar passar pra vocês um pouquinho da minha experiência para quem estiver de viagem marcada ou pretende ir algum dia para a cidade – coisa que recomento muito.

Saí de São Paulo na sexta-feira com a minha avó, Clô. Fomos juntas na viagem e, como combinado, cada uma ficou fazendo o que preferia, já que tínhamos preferências diferentes. Como viajei praticamente sozinha, recomendo muito a experiência. Achei incrível, você aproveita o dia do modo que preferir, conhece pessoas, curte sua própria companhia. Adorei e pretendo repetir – coisa que farei muito em breve, aguardem novidades #suspense

1° dia – A chegada: chegamos na sexta-feira, dia 21 de setembro, às 17h no aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires. Pegamos um taxi ali mesmo do aeroporto para o nosso hotel e pagamos 200 pesos (cerca de 80 reais) no trajeto porque o aeroporto fica bem longe da cidade. Chegamos no hotel, deixamos nossas coisas e saímos. Ficamos no Pop Hotel (Juan Ramirez Velasco 793, Villa Crespo) porque ele era bem avaliado e adoramos as instalações e o atendimento. Ele fica naquela região dos outlets e é bem novinho. No final da viagem, constatamos que teria sido melhor ficar em um hotel perto da Avenida 9 de Julho, Calle Florida ou ali por aqueles lados no centro mas só pela localização mesmo. Enfim, decidimos ir para uma rua bem legal chamada Lavalle. Jantamos e, como minha vó foi fazer as coisas dela, fui passear sozinha à noite. Lá é bem tranquilo durante a noite, bem movimentado e iluminado. Andei um pouco e decidi ir para o hotel porque estava beem cansada e o metrô fechava em alguns minutos. Lá fiz  quase tudo de metrô e achei super tranquilo, mas não pode bobear com bolsa e dinheiro – fui roubada no último dia porque me distrai com a bolsa, pode? hahaha

2° dia – À procura das feirinhas de antiguidades. Quando comecei a pesquisar os lugares para ir em Buenos Aires, vi muita gente na internet dizendo que a cidade é cheia de feiras de antiguidades. E no segundo dia fui à caça. Já aproveitei que queria conhecer o cemitério da Recoleta e acordei bem cedinho – oito da manhã! – tomei um café delicioso na Pizzaria Império, as famosas empanadas, peguei um ônibus e fui. Sim, comi muitíssimo bem na viagem mas praticamente só andei de metrô e ônibus, que funcionam muito bem na cidade e não deixam a desejar. Como estava sozinha, mesmo o táxi lá sendo barato, não valia tanto a pena assim. Dei uma volta pelo cemitério – e é lindo. Gente, parece macabro ir passear no cemitério mas é lindíssimo e um ponto turístico. A Evita Perón e vários outros políticos, principalmente ex-presidentes, estão enterrados lá em mausoléus chiquérrimos, vários deles projetados por importantes arquitetos argentinos. Da feira eu não gostei tanto assim. Ela deveria ser classificada como feira de artesanato, porque vi pouquíssimas antiguidades lá e só uma barraca de roupas usadas. Mas vale o passeio no sábado de manhã pra conhecer o cemitério e dar uma volta pelo bairro, que é bem fofo. Tomei um chopinho por lá, estudei muito meu mapa e decidi ir procurar uns brechós e lojinhas na Avenida Santa Fé que não era longe dali. 

Andei muito e encontrei uma Galeria chamada Galeria 5ª Avenida, que tem vários brechós, mas muitos deles estavam fechados no sábado. Achei o preço bem razoável – média de 100 pesos mas não comprei nada. Dei uma voltinha pela Santa Fé, encontrei um Starbucks (e, pelo menos na argentina, alguém escreveu meu nome certo…coisa que no Brasil é quase impossível) e lógico que parei pra me deliciar com um café. Aliás, lá tomei cafés incríveis – e nada baratos, um expresso saia por mais ou menos 8 reais, mas deliciosos. É uma coisa que não me arrependia de tomar porque valiam mesmo a pena. Depois encontrei várias lojas modernas e com preço bem ok. Comprei as duas calças da montagem, uma rosa pastel e uma com estampa étnica. No fim do dia, depois de deixar as sacolas no hotel, tomar um banho bem quentinho, fui jantar em um pub sozinha. Todo mundo me olhava meio estranho, como se eu tivesse esperando alguém, mas não me senti mal não. O nome do pub era 878 e é bem gostoso, mas como a maioria dos lugares de Buenos Aires, a comida era carinha (uns 100 pesos com comida e bebida). Voltei para o hotel cedo, lá pra meia noite e o dia seguinte seria longo: fui pro lugar que mais amei de Buenos Aires, a feirinha de San Telmo (♥)!

Amanhã posto a segunda e última parte da viagem. Gostaram do formato do post?

Naiá