2012 foi “o” ano

photo (37)

Me despeço de 2012 sorrindo. Olhando para trás e lembrando de tudo o que passou em um ano tão incrível. Quando eu tiver uns 80 anos vou lembrar do meu passado e, com certeza, 2012 terá sido um daqueles anos inesquecíveis e marcantes.

2012 foi o ano em que me tornei jornalista. Profissão até um pouco desvalorizada mas, gente, posso falar? Encho a boca pra dizer que sou jornalista, com diploma e tudo. Um sonho da vida me graduar no que sempre sonhei ser. Escrever, era isso. Era isso que fazia desde pequena e era isso que queria me tornar. Foi então que em 2012 peguei meu canudo – tão esperado – e agora assino como jornalista quando perguntam minha profissão – não sou mais ‘estudante’, ufa. Só isso já seria suficiente, mas…

o Moda Possível se ‘consolidou’ também em 2012. Criado no finzinho de 2011, foi neste ano que ele evoluiu e cresceu, apesar de agora andar paradinho. Espero que aos poucos voltemos ao ritmo de sempre, mas, enquanto isso, vou postando meus highlights da viagem no instagram e lá na página do blog no facebook. É também a realização de um sonho. De poder escrever o que eu gosto, de falar diretamente, sem firulas. E de mostrar o meu lado das coisas, um lado sem tanto glamour mas muito especial também…esse mundo dos brechós, das barganhas, de achar peças baratinhas e ficar toda contente. Consegui várias leitoras super especiais em 2012 que espero manter por muito tempo. Recebi elogios incríveis, uma ou outra crítica e guardo no coração cada palavra querida que vocês escreveram. Enfim, o Moda Possível é uma das coisas mais especiais da minha vida e espero que vocês continuem acompanhando. Obrigada pela paciência, mesmo. 

Foi em 2012 que me senti madura. A gente passa por uns percalços na vida e não sabe bem se é uma criança chorona ou se cresceu o suficiente. Neste ano posso falar que cresci. Não sei se o suficiente, mas com alegrias e uns tombinhos aprendi tanto…sou tão tão tão mais forte do que era há uns cinco ou seis anos atrás. Choro menos mas me emociono com muito mais facilidade. Vejo beleza nas coisas pequenas, coisa que antes era difícil. Mas a coisa mais importante que aprendi nos últimos anos é que devemos nos bastar. Gostar da nossa própria companhia. Saber fazer as coisas sem precisar de ninguém do lado. E isso não quer dizer viver numa ilha, isolado de tudo e todos. Amo minha família, temos um contato mais do que próximo. Amo meus amigos, estar na companhia das pessoas, rir…mas isso não quer dizer que eu não possa fazer outras coisas sozinha. Ao contrário do que parece, isso quer dizer que suas relações são feitas com bases mais maduras, não apenas pelo medo de ficar só. Você, ao mesmo tempo, se torna mais seletivo. E quer dizer que, em alguns momentos, podemos – e devemos – nos virar somente com a nossa própria companhia. Curtir um jantar sozinha. Uma noite de reflexão. Um cinema solo. Eu nunca – nunca mesmo – imaginei nem mesmo ir ao cinema sozinha. Achava o cúmulo da solidão. Mas ficar sozinha em casa é menos solidão que ir ao cinema, comer uma pipoca, dar risada com um filme bacana? Nunca, tampouco, imaginei fazer uma viagem sozinha e ainda mais vir morar sozinha em um país distante. Mas fiz e amei. E indico pra quem quer que for.Depois de viajar praticamente sozinha para a Argentina e, agora, estar há mais de dois meses em Londres tendo vindo sozinha, posso dizer que foram decisões certíssimas. Apesar de parecer mega solitário, é um exercício incrível de autoconhecimento e reflexão.

Uma das coisas que (ainda bem!) não mudaram foram meus amores. Continuei amando sem precedentes aquele conjunto de pessoas que me enchem o coração de alegria: meu (incrível) paizinho Carlos, minha (espetacular) mamita Gisele, minha maravilhosa irmã Mayra e meu amor lindo, André. Ah, sem esquecer da Babynha, minha pequena linda. Vocês são o motivo de tudo e me trazem toda a paz e segurança que eu preciso. Meus lindos, amo vocês.

E, por fim, em 2012 realizei o grande sonho da minha vida. Um sonho antigo, mas que chegou na hora perfeita para que eu pudesse aproveitá-lo ao máximo e crescer (muito!) a partir dele. Estou escrevendo diretamente de Londres e parece mentira viver aqui. A experiência é das mais ricas da minha vida, o crescimento profissional e pessoal é, sem dúvida, uma coisa excepcional e vou levar tudo que está acontecendo aqui pro resto da minha vida. EU ♥ LONDRES! E tô feliz demais aqui!

Para não esquecer e acabar incluindo uma lista de desejos como nos anos passados, em 2012 em vez de pedir venho agradecer. Pelas oportunidades, pelo crescimento, pela saúde e pela generosidade das pessoas que encontro por aí. Obrigada, sempre. 2012 foi um ano memorável e espero que 2013 seja tão especial quanto.

Um beijo enorme para todas vocês! Tenham um Natal maravilhoso, não se esqueçam do mais importante: o amor! Amem seus pais, avós, tios, primos, filhos, seus maridos/namorados, seus irmãos, seus bichinhos de estimação, seus amigos e todos ao seu redor. Tudo de mais lindo que existir. Não se esqueçam nunca de agradecer pelas coisas boas que aconteçam com vocês e sorrir. Sempre.

Naiá

Ps: Há algumas semanas minha irmã me ensinou uma ‘técnica’ bem interessante que consistia em anotar, ao fim de cada dia, três coisas boas que aconteceram. Gente, é o melhor exercício da vida. Porque é ruim aquela mania que a gente tem de fazer balanços negativos sempre, né? Acho muito bom filtrar só o positivo, só o que fez a gente feliz e tentar, mesmo em um dia ruim, achar momentos bacanas. Tentem, eu amo fazer isso todas as noites, antes de dormir. Me dá uma tranquilidade incrível antes de dormir e uma energia boa para o dia seguinte. Obrigada irmã linda pela dica, amo.

Tô tentando…mas tá difícil!

Oi meninas! Pedir desculpas acho que não seria suficiente para explicar meu sumiço absurdo, né? Preciso urgente me explicar e vou tentar…

Londres é uma loucura. Muitas vezes uma loucura boa, mas às vezes é uma coisa que suga toda a sua energia. Vivo correndo o tempo todo, mal tenho tempo de falar com a minha família no skype porque é tudo feito às pressas: corro pro trabalho, almoço correndo, faço compras com uma velocidade digna de Usain Bolt. Alguns dias almoço em admiráveis 3 minutos – incluindo o tempo para lavar a louça. Quando chego em casa – muitas vezes, faço o turno das 13h até as 22h no trabalho e chego em casa 22h30, janto e adivinhem? Só quero dormir para começar o dia seguinte com a mesma correria. A questão é que a loja que trabalho (Bershka) inaugurou na semana passada e acredito que, a partir de agora, as coisas fiquem mais tranquilas por aqui. Ou, pelo menos, eu comece a me adaptar mais com a rotina trabalho – casa – blog. Prometo, tá? Mas não me abandonem! Tenho bastante coisa pra postar e só faltava tempo para acertar tudo na cabeça e sentar no computador pra escrever…

Enquanto isso, os acontecimentos dos últimos 10 dias.Picadilly Circus

Matando a vontade de leite antes de ir pro pub…Passadinha na Carnaby Street…

Detalhe de um dia desses: bolsa e cachecol.

 

A almofada nova da Primark…

 

 

Lanchinho quase saudável…

 

 

Parte do look de trabalho..

O look da inauguração da Bershka no Park House. Look todo Bershka – temos que trabalhar só com roupas da loja – o que não é ruim porque temos uma liberdade absurda para nos vestirmos. Ieba!

Bom meninas, esses dias vou postar os itens que escolhi pra trabalhar na loja! Beijo!

 

 

Primark, sua linda!

Pois é. Fui avisada que iria enlouquecer na Primark e, claro, foi o que aconteceu. Amei de paixão a loja e os preços mas, como ainda não estava trabalhando (comecei sexta-feira) não podia sair gastando todo o meu dinheiro por lá, né? Mas fiz algumas comprinhas das boas que vou mostrar pra vocês…O primeiro tênis: tava querendo há um tempo um tênis preto e achei esse bem fofo por 10 pounds (35 reais). Tô usando muito!

E o segundo tênis que foi um babado só quando postei no facebook e no instagram: onça com spikes…lindo! Também foi 10 libras, que dá uns 35 reais…

Camisa creme por 6 libras (mais ou menos 20 reais). Comprei uma preta também e já usei as duas váárias vezes mas a foto da preta ficou horrível.

E aí, gostaram das compritchas? O preço é incrível, né?

Naiá

10 dias em Londres

Oi meninas. Sumi, eu sei. Mas agora tenho quase certeza que as coisas por aqui ficarão mais tranquilas. Logo no meu segundo dia em Londres achei uma casa incrível bem no lugar que eu queria. Foi tipo um milagre porque aqui, apesar de não ser difícil achar quartos para alugar, o grande problema é que eles geralmente são beeem caros. O que eu achei tinha um preço bem bacana e é super bem localizado então, achadíssimo!

Não contei direito para vocês mas vim para Londres sem nada arranjado. Simplesmente comprei minha passagem de ida a volta.  A maioria das pessoas me acha mega doida quando eu falo mas acho que a vontade de vir pra cá era tanta e há tanto tempo que não pensei duas vezes. Como não tinha tanto dinheiro assim, decidi que não iria por agência nenhuma. Ia na cara e na coragem. Na verdade, não tinha nem feito reserva em albergue nem nada. Cheguei em Londres sem onde ficar. Mas a cidade é incrível e, obviamente, em 1h tinha minha cama no hostel reservada. Sei lá, me deu a louca e imaginei que a cidade oferecesse tantas opções que não iam me faltar oportunidades de me virar por aqui. E foi o que aconteceu. Não sei se a sorte me sorriu ou se quando você quer uma coisa com toda a sua força ela realmente acontece, mas a verdade é que tudo tem dado super certo por aqui. Vim sozinha, sem conhecer ninguém na cidade, sem muuuuito dinheiro e ainda sem lugar pra ficar. E, no final, tudo deu mega certo. Agora quero que vocês conheçam minha casa nova durante a temporada de Londres. Preparem-se porque o post é cheeeeio de fotos!A casinha é beeem fofa e muito delícia. Tem dois andares e moro no segundo, num quarto bem fofo mas que precisa de uma decoraçãozinha:

Esse é o meu quarto. Amei, amei e amei…

E o jardim!

oltinha no centro de Londres no sábado…beleza por todos os lados, delícia!

Além do fish and chips, que provei no meu primeiro dia aqui, decidi comer um prato típico inglês: o english breakfast. Só não sei como alguém consegue comer isso de café da manhã porque eu mesma comi as 17h e fiquei passando mal o resto da noite. Não é ruim mas não é bem aquele tipo de comida leve…hehehe

O que eu comi tinha torradas, ovos, bacon, feijão, um negócio que não reconheci e linguiça. Só! heheheTá difícil me adaptar na hora de me vestir: trouxe pouquíssimas coisas, tem dias que o frio é tanto que dá vontade de ir de cobertor enrolado – e provavelmente não seria suficiente. Mas acho que logo me acostumo e tiro fotos de alguns looks…quem sabe? Esse foi usado pra ir tomar um vinhozinho por aí e estrear o tênis novo de onça e spikes que eu comprei na Primark. Logo logo ele vai aparecer por aqui com detalhes…

Look: Camisa de seda do brechó Lupércio Luppi (Londrina) • Saia Zoomp (antiiiiga) • Bolsa Mercado San Telmo (Buenos Aires) • Cardigan Zara • Tênis Primark (10 libras…uns 35 reais)

Ida ao Golders Hill Park…o dia estava lindo quando chegamos mas em meia hora o tempo virou e…choveu! Hunf…

E no sábado começaram as comemorações para o Halloween, que, pelo visto, irão até a semana que vem. Pra dar um migué, fiz um olho à lá Amy Winehouse e, se me perguntassem, essa seria minha fantasia. #sónotruque

E minha companhia foi a leitora que agora virou amiga, a Amanda. Ela até mandou uns achados de brechó daqui de Londres, lembram? Acabamos nos conhecendo aqui e já demos várias voltinhas pela cidade.

E, por fim, um caramel macchiato tamanho EG! Gente, tinha uns 500 ml nessa caneca, surreal e delicioso 😛

Bom, esse foi um resumo da última semana e do fim de semana. A grande novidade é que consegui um emprego! Vou trabalhar na loja Bershka (mesmo estilo da Zara) e tô mega feliz…logo mais conto como é meu dia a dia no trabalho, começo na quinta.

Vocês gostam desse tipo de post ou ele é desnecessário?

Beijo, Naiá

Notícias de Londres…

Pois é. Cheguei. Já deu tempo de me apaixonar pela cidade, de fazer umas comprinhas, de comer o famoso fish n chips, de torrar em libras (que valem mais do que barras de ouro!) e, claro, de escolher minha lojinha preferida: Poundland. É tipo a loja de R$1,99 no Brasil MASSSSSSSSSS sem coisinhas mequetrefes do Paraguai. São coisas ótimas, desde lanches, passando por maquiagens, shampoos e etc e até fantasia de Halloween por incríveis uma libra (ou um pound, pro nome da loja fazer sentido…). É tipo surtante. Tenho vontade de comprar tudo.

Agora um resumo em fotos dos meus quatro primeiros dias:Ainda no Brasil: foto com os meus lindos, meus pais, minha irmã e meu namorado. Difícil deixar todo mundo aí…entrar naquela sala de embarque foi tenso!

A viagem é bem mais rápida e confortável do que eu pensava…tentei tomar um vinho branco pra acalmar mas êta treco ruim viu? Também consegui assistir Coco antes de Chanel e é muito bacana, recomendo! Adorei a seleção de filmes do avião e, se a viagem durasse umas 40 horas eu ia aproveitar. Já tinha visto uma série no GNT que contava toda a vida dela e gostei muito dos dois filmes, duas abordagens bem diferentes dela…talvez Coco antes de Chanel seja um pouco mais superficial mas, de qualquer forma, é interessante conhecer tudo que ela fez e precisou enfrentar antes de virar um dos maiores ícones da moda…O mapinha da ansiedade e a visão pouco antes de pousar…ansiedade pura!

 

Depois de uma SUPER epopéia pra chegar onde eu queria cheia de malas e de metrô, cheguei em Shepherds Bush, uma região que já amei de cara. Ia ficar nesse albergue-pub que chama St. Christophers Inn mas não tinha mais vaga!Até arranjar outro albergue decidi experimentar um dos ‘pratos típicos’ ingleses…o famoso Fish and Chips. Gostoso mas muito muito gorduroso! heehehe Depois de quase 24h entre a viagem e tudo mais, consegui um albergue! Fiquei em um bem perto, próximo ao Royal Albert Hall e vários museus legais, chamado Astor Hyde Park e minha experiência foi bem bacana! Os quartos eram mistos com seis camas e um banheiro e com certeza ficaria em um hostel novamente!

Olha só o quarto:

 

Dando uma voltinha no meu primeiro dia oficial em Londres. Tudo lindo, estou apaixonada! E já conhecendo os brechós pelas redondezas! Logo mando mais notícias! Beeeijo!

Brechó em São Paulo: Paróquia São Luís Gonzaga

Vocês lembram daquela participação especial da leitora Roberta Barrocas sobre um brechó em plena Avenida Paulista? Sempre procurei algum brechó baratéx na região e decidi conferir logo no dia seguinte e contar para vocês. Realmente, a Roberta mandou uma super dica pro blog e eu amei. 

O brechó em questão acontece mensalmente na Paróquia São Luís Gonzaga, ali na entrada do lado direito, próxima à recepção. Cada mês o bazar ocorre em uma data e são as instituições vinculadas à paróquia as responsáveis por organizá-los. 

O brechó é apoiado pela paróquia e organizado por voluntários das instituições. Quando fui, tinha bastante gente por lá e acredito que o bazar seja bem conhecido. Aconselho a ir no primeiro ou segundo dia para aproveitar as melhores peças. Anota aí: o próximo bazar vai acontecer de 22 a 26 de outubro lá na Paróquia durante o dia. Se você trabalha por ali, vale a pena dar uma escapadinha até lá durante o horário de almoço, hein? 

A Paróquia São Luís Gonzaga fica na Avenida Paulista, número 2378, no cruzamento com a Bela Cintra. Para saber quais os próximos bazares, o telefone para contato da igreja é o (11) 3120-3839.

A única compra de brechó de Buenos Aires

Depois de alguns dias sumida, tô de volta! E, como primeiro post pós viagem, vou mostrar minha única aquisição de brechó em Buenos Aires. Minha ideia era visitar a maior quantidade de brechós que eu pudesse mas, chegando lá, decidi que essa não seria uma boa forma de aproveitar a viagem e só fui em alguns que estavam pelo caminho. Buenos Aires é uma cidade linda, enorme e cheia de pontos interessantes para conhecer…como fiquei só 4 dias, queria conhecer a cidade e não quis focar só nos brechós. Além disso, muitas coisas acabam sendo bem caras nos brechós de Buenos Aires e fica até mais vantajoso comprar nas lojas mesmo. Fui em um dos mais famosos da cidade, o Juan Perez e o preço era absurdo. Várias peças custavam uns 500 pesos (uns 200 reais) e outras mais de mil pesos…impensável. Sendo que nas lojas do centro as peças custavam de 200 a 300 pesos.
O lugar mais bacana para comprar peças usadas, na minha opinião, é nos arredores da feira de San Telmo, que acontece todos os domingos e é simplesmente o lugar mais incrível de Buenos. Música, artesanato, comidinhas e cultura reunidos e tudo com um preço beeem bacana. Nas barraquinhas da feira vendem basicamente coisas novas, artesanato ou peças de decoração antigas, mas no Mercado San Telmo é cheio de stands de usados. Em um deles, achei essa bolsa meio estilo baú que virou, de verdade, minha bolsa preferida da vi-da:

20121001-083332.jpg
Me apaixonei pelo modelo e o preço era bem convidativo para a cidade: 90 pesos (cerca de 35 reais). A maioria das peças de brechó custava essa faixa de preço, entre 60 e 120 pesos e achei linda demais para deixá-la lá. Por dentro ela está meio estragadinha mas por fora, perfeita.
Ela é bem espaçosa e usei bastante na viagem.
A questão polêmica é o material: perguntei para a vendedora (no meu portunhol horrendo) qual era o material e ela simplesmente disse “cuero” (acho muito engraçada essa palavra). Fui embora tranquila mas quando cheguei ao hotel encafifei. De qualquer forma, como era uma bolsa usada fico mais tranquila, porque não compraria uma bolsa nova que não fosse sintética ou de couro bovino.

E aí, qual a opinião de vocês sobre o assunto?
Naiá